A fuga para o Egito (parte II)

Fuga para o Egito
Fuga para o Egito

Parte II – A Fuga para o Egito é uma peça escrita no outono de 1895 por Santa Teresinha do Menino Jesus na festa da Madre Inês e tem o humor característico da via da doçura, onde Jesus e Maria são retratados humildes, pobres, mas cheios de grande amor pelo pequeno Jesus nas vésperas do exílio.

Cena 3:

Quando Maria se afasta, José dorme. Depois de alguns instantes de silêncio, o Anjo do Senhor aparece-lhe em sonho (Teresinha canta a música “La folle de la plage”).

O Anjo

Para a terra do Egito
É preciso ir bem rápido.
José, nesta mesma noite,
Afasta-te sem ruído.

Herodes em sua fúria
Quer tomar o teu tesouro;
Ao vencedor da morte
Ele quer tirar a vida.
Toma a Mãe e o Menino;
Foge longe do tirano.

Cena 4:

São José levanta-se logo, bate docemente à porta do pequeno quarto onde a Santíssima Virgem repousa. São José diz:

Maria, acordai, pois a vida de Jesus está em perigo.

A Santíssima Virgem, vindo com o menino Jesus no colo, diz:

Dorme em paz, José. Nenhum perigo ameaça o divino menino. Vede como dorme tranquilamente em meus braços.

São José diz:

Sim. Em seu doce sono, o Rei do Céu parece ignorar a mensagem de um de seus Anjos… No entanto, Ele sabe tudo! Oh, Maria! Por que Jesus não vos fala ele mesmo? Por que sou eu o encarregado de transmitir as ordens do Céu à Mãe de meu Deus?

A Santíssima Virgem diz:

Falai; não tenhais receio. Sois o representante de Deus, o chefe da família. Dizei-me o que o Anjo nos pede da parte do Senhor. Estou pronta a obedecer-lhe.

São José diz:

Ele nos manda fugirmos para o Egito, pois Herodes resolveu matar o menino. É preciso partir agora mesmo. Amanhã talvez seja tarde demais (Olha para Maria com um ar de tristeza).

A Santíssima Virgem diz:

Não vos aflijais, José. Desde o dia da apresentação de Jesus no templo, estou sempre preparada para a provação, pois as palavras do santo velho Simeão transpassaram minha alma com uma espada de dor. Já se começa a realizar sua profecia. Jesus sofre a perseguição mesmo antes de ter idade para se defender. Eu sei: uma única de suas palavras infantis seria suficiente, se ele o quisesse, para exterminar todos os seus inimigos, mas prefere fugir ante um fraco mortal porque é o Príncipe da Paz. O Verbo feito menino não quebrará a cana fendida, não apagará a mecha que ainda fumega. Se foi rejeitado pelos seus em sua própria herança, isso não lhe impedirá de dar sua vida pelos pobres pecadores que não reconhecem o tempo de sua visita… Partamos sem medo, vamos santificar uma terra infiel com a presença do Salvador.

São José diz:

Ai! Como me custa expor-vos aos cansaços e perigos de uma viagem assim tão longa e penosa! Como seria feliz se me fosse permitido tomar sobre mim todas as dores! Mas, tenho que me resignar a vos ver, em breve, na falta de tudo… Aqui, temos o necessário; no Egito, estaremos reduzidos à mais extrema pobreza.

A Santíssima Virgem diz:

A pobreza que encontraremos no exílio não me causa medo, já que sempre possuíremos o tesouro que faz a riqueza do Céu. A sua divina providência, que alimenta os passarinhos sem esquecer um só deles, haverá de nos dar o pão de cada dia.

Cena 5 da peça “Fuga para o Egito”:

Depois de ter pego suas ferramentas de trabalho, José afasta-se com Jesus e Maria. Então, os Anjos cantam o que se segue com a música “Gondolieres venitiennes”.

Inefável mistério;
Jesus, Rei do céu,
Exilado sobre a Terra
Foge como um mortal!

A Este Deus envolto em panos,
Todo o nosso amor ofereçamos,
Que nossas brancas falanges
Venham formar sua corte.

Cubramo-lo com nossas asas
E com as mais belas flores.
Com nossas alegres melodias,
Embalemos o Rei dos Céus.

Para sua Mãe consolar.
Com fascínio iremos cantar
Os encantos do Salvador,
Sua graça e sua doçura.

Ah! Deixemos esta terra.
Bem longe da tempestade,
Fujamos esta noite
Longe de todo barulho.

Nossa brilhante Estrela,
Escondida por um véu,
É a alegria dos eleitos.
Ó Menino Jesus.

Ó Rei do Céu
Foge de um mortal!

Para ler a primeira parte da peça “Fuga para o Egito”, clique aqui. Em breve publicaremos as outras partes. Inscreva-se e receba novos artigos.

Faça o primeiro comentário a "A fuga para o Egito (parte II)"

Comentar

O seu endereço de email não será publicado.


*